quarta-feira, 23 de outubro de 2013

A Alma Dos Diferentes


"... Ah, o diferente, esse ser especial!

Diferente não é quem pretenda ser.
Esse é um imitador do que ainda
não foi imitado, nunca um ser diferente.

Diferente é quem foi dotado
de alguns mais e de alguns menos em hora,
momento e lugar errados para os outros.
Que riem de inveja de não serem assim.
E de medo de não aguentar,
caso um dia venham, a ser.

O diferente é um ser
sempre mais próximo da perfeição.
O diferente nunca é um chato.
Mas é sempre confundido
por pessoas menos sensíveis e avisadas.
Supondo encontrar um chato
onde está um diferente,
talentos são rechaçados; vitórias, adiadas;
esperanças, mortas.

Um diferente medroso, este sim,
acaba transformando-se num chato.
Chato é um diferente que não vingou.

Os diferentes muito inteligentes
percebem porque os outros não os entendem.
Os diferentes raivosos acabam
tendo razão sozinhos, contra o mundo inteiro.
Diferente que se preza entende
o porque de quem o agride.

Se o diferente se mediocrizar,
mergulhará no complexo de inferioridade.
O diferente paga sempre o preço de estar
- mesmo sem querer - alterando algo,
ameaçando rebanhos, carneiros e pastores.

O diferente suporta e digere
a ira do irremediavelmente igual:
a inveja do comum; o ódio do mediano.
O verdadeiro diferente sabe que nunca
tem razão, mas que está sempre certo.

O diferente começa a sofrer cedo,
já no primário, onde os demais de mãos dadas,
e até mesmo alguns adultos por omissão,
se unem para transformar o que é
peculiaridade e potencial em aleijão e caricatura.

O que é percepção aguçada em:
"Puxa, fulano, como você é complicado".
O que é o embrião de um estilo próprio em :
"Você não está vendo como todo mundo faz? "

O diferente carrega desde cedo
apelidos e marcações os quais acaba incorporando.
Só os diferentes mais fortes
do que o mundo se transformaram
(e se transformam)
nos seus grandes modificadores.

Diferente é o que vê mais longe
do que o consenso.
O que sente antes mesmo
dos demais começarem a perceber.

Diferente é o que se emociona enquanto
todos em torno agridem e gargalham.
É o que engorda mais um pouco;
chora onde outros xingam;
estuda onde outros burram.
Quer onde outros cansam.
Espera de onde já não vem.
Sonha entre realistas.

Concretiza entre sonhadores.
Fala de leite em reunião de bêbados.
Cria onde o hábito rotiniza.
Sofre onde os outros ganham.

Diferente é o que fica
doendo onde a alegria impera.
Aceita empregos que ninguém supõe.
Perde horas em coisas
que só ele sabe ser importantes.
Engorda onde não deve.
Diz sempre na hora de calar.
Cala nas horas erradas.
Não desiste de lutar pela harmonia.
Fala de amor no meio da guerra.
Deixa o adversário fazer o gol,
porque gosta mais de jogar do que de ganhar.

Ele aprendeu a superar riso,
deboche, escárnio, e consciência dolorosa
de que a média é má porque é igual.
Os diferentes aí estão:
enfermos, paralíticos, machucados,
engordados, magros demais,
inteligentes em excesso, bons demais
para aquele cargo, excepcionais, narigudos,
barrigudos, joelhudos, de pé grande,
de roupas erradas, cheios de espinhas,
de mumunha, de malícia ou de baba.
Aí estão, doendo e doendo,
mas procurando ser, conseguindo ser,
sendo muito mais.

A alma dos diferentes
é feita de uma luz além.
Sua estrela tem moradas deslumbrantes
que eles guardam para os pouco capazes de
os sentir e entender.

Nessas moradas
estão tesouros da ternura humana.
De que só os diferentes são capazes.
Não mexa com o amor de um diferente.
A menos que você seja suficientemente
forte para suportá-lo depois."

Autor Artur Da Távola    


bjkas com carinhos 
RaSena    


imagem: da WEB

domingo, 6 de outubro de 2013

Filtro dos Sonhos


filtro dos sonhos fotos 300x225 filtro dos sonhos fotos

São várias as versões da história, aqui vamos falar de uma, talvez a mais contada.
Diz a lenda que uma aranha fiava sua teia bem próximo à cama da avó (Nokomi), que todos os dias a observava. Dias depois o neto dela entrou no quarto, viu a aranha na teia, e resolveu matá-la com uma pedra, mas a avó não deixou. Mesmo tendo achado muito estranho, o garoto respeitou a vontade da avó. A idosa voltou a observar então o trabalho da aranha, enquanto o animal olhou para a velha mulher e disse: “Obrigada por salvar minha vida. Vou dar-lhe um presente por isso.Na próxima Lua nova vou fiar uma teia na sua janela. Quero que você observe com atenção e aprenda como tecer os fios, porque esta teia servirá para capturar todos os maus sonhos e energias ruins e um pequeno furo no centro vai deixar os sonhos bons passarem e chegarem até você".
Quando a Lua chegou, a aranha começou a tecer a teia mágica, observada pela avó que não escondia tamanha felicidade pelo presente. De tempo em tempo a aranha dizia para a senhora aprender, até que exausta a avó adormeceu.
Ao surgirem os primeiros raios de sol no céu, a brisa trouxe penas de pombo, que ficaram presas a teia e um corvo que pousou ali também deixou uma longa pena pendurada.
Entre as malhas da teia, o Pai Sol sorria e a avó, feliz com tanta beleza, resolveu ensinar todos da tribo a fazerem os filtros de sonho e por décadas estes objetos vêm afastando pesadelos de muitas pessoas.

sábado, 5 de outubro de 2013

Curiosidades - Os Ciganos no Brasil



Enfiavam em cada dedo anéis e não criavam apego a lugares, de tanto que conhecessem a ligeireza do mundo.

O Brasil é o terceiro país que mais acolheu e acolhe os ciganos, no mundo, apenas superado pela Espanha e Bulgária. Grandes artistas como Castro Alves, Cecília Meireles, Guerra Peixe, Fagner e Wagner Tiso são ciganos.
Poucos sabem, mas várias palavras que usamos no cotidiano, como: pechincha, pileque, rango, pirar, e entre outras, tem origem na língua cigana. O termo maragato, corrente no Sul do Brasil, vem do nome dado aos ciganos na fronteira com Uruguai.
As saias rodadas das baianas não tem origem na África, mas na vestimenta das ciganas. O violão, instrumento central de nossa música, foi trazido pelos ciganos. O lundu, tido como a mais significativa dança afro-brasileira do período colonial, é idêntico à Zarzuella espanhola, trazida pelos ciganos ao Brasil.
O primeiro cigano, da Europa central a chegar ao Brasil teria sido o tcheco Jan Nepomuscky Kubitschek, bisavô do grande presidente da República Juscelino Kubitschek. O presidente bossa-nova, que adorava música, alegria, dança e mulheres, era obcecado pelo Império Egípcio e fundou Brasília na forma de pássaro, idêntica às antigas cidades egípcias do Alto do Nilo.
A presença Cigana no Brasil inicia-se em 1574 com o cigano ibérico, João Torres. Não chegou à trabalho e nem a passeio, mas degredado de Portugal com sua família.


Fonte: https://www.facebook.com/espacocrystal


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...